Monthly Archives: December 2017

As raças caninas mais fáceis de adestrar

Diversas raças caninas são encontradas em todo o planeta, sendo que algumas apresentam características como inteligência e obediência, que os tornam ideais para assumir tarefas como cão policial, cão guia, para a proteção da família e para a caça. Existem algumas raças que são difíceis de treinar, tendo que passar por treinamentos com pessoas especializadas e os seus donos precisam ser mais experientes. As raças mais fáceis de adestrar são:

Labrador Retriever – Essa raça se caracteriza pela sua obediência, inteligência, lealdade, amabilidade, elegância e ainda são bem fortes. São os mais utilizados como cães policiais e como guias. Essa raça é a mais indicada para os donos sem experiência com cães, já que adoram cativar seus donos. A raça adora correr e nadar, além de ser a mais fácil de adaptar a um treinamento.

Pastor-Alemão – Essa raça é conhecida mundialmente pela sua inteligência e obediência em treinamentos, sendo a segunda mais fácil de ensinar. Ele é muito usado por policiais, como cães farejadores de drogas ilícitas e como rastreadores. Essa raça também apresenta os melhores cães de guarda e cães de guia do mundo.

Golden Retriever – Essa raça é muito fácil de treinar, amável, inteligente e obediente. Essa raça também é utilizada como cão de guia e cão policial.

Border Collie – Essa raça possui uma grande beleza, além de ser cativante. Ela também pode ser treinada para ajudar os policiais e as pessoas com deficiência de visão. Essa raça também é muito inteligente e obediente, além de possuir um porte atlético.

Doberman – Essa raça é especial e exige mais atenção dos seus donos, sendo que o doberman precisa de pessoas no seu dia a dia com mais experiência com cães, apesar do seu treinamento não ser difícil. Essa é uma raça muito inteligente, sendo utilizados também na polícia e no auxílio de pessoas cegas.

Poodle Gigante – Essa raça se caracteriza por ser muito meiga, obediente e muito inteligente. O  poodle gigante  é o maior e mais antigo, possuindo um histórico importante. Eles também eram cães retriever, levando animais como patos e outras espécies de aves para os seus donos.

 

Conheça o Parque Cidade Jardim, empreendimento multifunções de José Aurimo Neto

Entre os mais de 6 milhões de metros quadrados de empreendimentos destinados ao público de alto padrão desenvolvidos pela JHSF, um deles deu a José Auriemo Neto o título simbólico de rei do luxo paulistano. O Parque Cidade Jardim foi inaugurado em 2006 no centro de São Paulo trazia um conceito novo para a capital. Conheça um pouco mais do residencial que agrega em um só endereço apartamentos, escritórios, um shopping e um hotel.

O Parque Cidade Jardim

A ideia de José Auriemo Neto era a de erguer um condomínio às margens da marginal Pinheiros, em que os moradores pudessem também trabalhar, se divertir, fazer compras em um ambiente seguro e sem ter que encarar o trânsito caótico da capital. Para isso teve que convencer o pai, Fábio Auriemo e para isso disse que a entrada da área residencial poderia ser feita por uma rua atrás da marginal.

Outro ponto eram as licenças para construir acima de doze andares na região e a retirada de uma favela no terreno, adquirido pela Eletropaulo por 50 milhões de reais. O projeto todo foi avaliado em R$ 1,8 bilhão.

Foi então que em 2004 começaram as obras e pouco tempo depois já começaram a ser vendidas as primeiras unidades. As mais em conta eram comercializadas na época por 2 milhões de reais. Era apartamentos de 240 metros quadrados, enquanto os maiores de 1,8 mil metros quadrados foram vendidos por 18 milhões.

O destaque do empreendimento é o shopping voltado para o público de alta renda. Completo, ele apresenta mais de 180 lojas variadas, além de cinema, praça de alimentação, academias, universidades e outras facilidades. Entre as marcas famosas no centro comercial estão Fendi, Louis Vuitton, Rolex, Chanel, Gucci, Pucci, Ermenegildo Zegna, Dior, Hermés, Cartier, Prada, Ralph Lauren, Valentino e etc.

O Parque Cidade Jardim foi inspirado no Roppongi Hills, complexo construído no Japão que reúne apartamentos, escritórios comerciais, hotel, restaurantes e um museu. Orçado em 4 bilhões, o edifício demorou 17 anos desde sua concepção até a inaguração. Ele foi idealizado pelo bilionário japonês do segmento imobiliário Minoru Mori.

Empreendimentos semelhantes foram concebidos em outras partes do mundo nos Estados Unidos, onde foi construído o Warner Center, um edifício completo que conta também com um estúdio do canal CNN e um teatro com capacidade para 1,2 mil pessoas.

Quem é José Auriemo Neto

É presidente do conselho administrativo da JHSF, empresa de sua família fundada em 1972 ainda com o nome JHS. Desde cedo José Auriemo Neto já ajudava na tomada de decisões da empresa e com 17 anos já havia criado a subdivisão de estacionamentos da companhia. Em 2003, ainda com 27 anos passou de diretor a presidente-executivo, cargo que deixou em 2014.

José Auriemo Neto é um executivo com grande disposição ao trabalho. Acorda cedo e pouco depois das 8 da manhã já está em seu escritório. Em meio as tarefas diárias e planejamentos, sempre encontra tempo para conferir o canteiro de obras ou apresentar um imóvel a um cliente a pedido de algum amigo. Até mesmo férias evita tirar e quando o faz, aproveita para marcar reuniões com investidores.

 

Com dois procedimentos foi possível reduzir o HIV em 42% na Uganda

Um trabalho que foi reportado no New England Journal of Medicina traz uma perspectiva animadora sobre o combate a AIDS no mundo. Segundo a matéria, duas práticas conseguiram diminuir aproximadamente 40% do numero de infectados pelo HIV no Distrito de Rakai, em Uganda. Os pesquisadores de uma universidade americana conseguiram provar que essas estratégias podem ser replicadas e com isso reduzir significativamente o numero de novas vitimas.

O trabalho que foi bem sucedido em prevenir o HIV se trata de circuncisão masculina voluntária de pessoas que não possuem AIDS e terapia antirretroviral naqueles que já contraíram a doença. Esses procedimentos visam evitar a transmissão da AIDS. De acordo com Anthony S. Fauci, um dos autores do projeto, ele disse que a principio eles não sabiam se essas medidas teriam eficácia numa população, pois o procedimento trabalha individualmente, mas os resultados mostraram que é possível reverter o crescimento da doença adotando essas práticas.

Para chegar a esse resultado, a pesquisa envolveu aproximadamente 34 mil pessoas com faixa etária de 15 a 49 anos, e foi realizado pelo governo da Uganda, que obteve financiamento estrangeiro. O programa realizou testes de HIV, distribuiu remédios antirretrovirais e promoveu a circuncisão masculina, com a anuência dos voluntários. Esse trabalho foi realizado ao longo de 17 anos, no período de 1999 e 2016.

Em 2016, 69% dos participantes alegaram estar usando os antirretrovirais, e 59¨% dos homens participantes permitiram a cirurgia de circuncisão, enquanto o hábito de uso de preservativos de pessoas que possuíam o hábito de realizar sexo com parceiros casuais ou múltiplos parceiros permaneceu o mesmo desde o inicio do projeto e a quantidade de adolescentes que se declararam virgens aumentou 25%. Com esses resultados os números de novas pessoas que contraíram a doença diminuiu de 1,17 a cada 100 para 0,6 a cada 100, uma redução de 42%.

Estudo mostra que ovelha Dolly não sofreu envelhecimento precoce

Em 1997 o mundo se espantou com a divulgação de uma experiência de clonagem bem sucedida. A ovelha Dolly viveu toda a sua vida na Escócia, tratada por investigadores do instituto Roslin. O animal levou uma vida normal chegando a dar a luz a 2 filhotes que também tiveram a vida monitorada. No entanto, foi noticiado numa revista que a ovelha clonada pode ter sofrido um envelhecimento precoce. Ela foi abatida alguns anos antes da expectativa de vida da sua raça, com problemas ósseos.

Recentemente, um estudo realizado por uma parceria da Universidade de Nottingham com a Universidade de Glasgow, questionou o envelhecimento precoce da Dolly, problema esse que se tornou um grande temor nos estudos sobre a clonagem. Eles analisaram as radiografias da Dolly e chegaram na conclusão que o animal não sofria de uma doença que não fosse comum a sua idade.

O trabalho foi divulgado na revista Scientific Reports e mostrou que a ovelha mais famosa do mundo tinha uma doença natural para uma ovelha em torno de 7 a 9 anos de idade e que os problemas nas articulações do joelho nesse período de vida podem ser notados em outras ovelhas que tiveram o nascimento de modo convencional. Dolly morreu com 6 anos de 8 meses.

O estudo se baseia no raio-X da Dolly, que atualmente possui seu corpo embalsamado e exposto no museu Real da Escócia. Eles também analisaram a radiografia das filhas da Dolly, e das ovelhas predecessoras que foram clonadas através de uma técnica diferente, e que também estão expostas no mesmo museu.

Os pesquisadores afirmam que não existe um registro formal do diagnóstico da Dolly com osteoartrite, apenas uma citação em um artigo, os documentos do seu parecer médico não foram preservados.

Essa mesma equipe já tinha divulgado em 2016 um estudo sobre as quatro outras ovelhas, quer foram clonadas da mesma forma e que são cópias genéticas da Dolly, e envelheceram naturalmente sem sintomas de doenças ósseas.

Dolly foi clonada por transferência nuclear de células somáticas. O procedimento (resumido de forma simplista) se trata da remoção do núcleo de uma célula de DNA e introdução do mesmo em num ovulo não fecundado.

 

Jogos digitais podem reduzir em 29% risco de transtornos mentais, diz estudo

Hoje em dia é cada vez mais comum os jogos digitais voltados para a prevenção de doenças, sendo possível unir entretenimento e saúde em um único pacote. Dentre esse potencial de saúde, especialistas apontam para a redução do risco de demência em 29%.

Um estudo demonstrou que pessoas que tiveram contato por dez anos com as 15 fases de um jogo, reduziram o risco de desenvolverem qualquer tipo de transtorno mental para 5,9%. Os resultados deste estudo também apontaram para a relação entre jogar e estar bem, mostrando que quanto mais contato com os jogos, menor será o risco.

Segundo o autor do estudo realizado pela Universidade do Sul da Flórida – Estados Unidos, Dr. Jerri Edwards, o que ainda falta sabermos é quanto tempo a pessoa deve ter contato com os jogos para atingir um resultado esperado. O estudo foi publicado na revista “Alzheimer’s & Dementia: Translational Research & Clinical Interventions”.

“Precisamos investigar qual é a quantidade adequada de treinamento para obter os melhores resultados. O momento da intervenção também é importante”, diz Edwards.

Participaram do estudo 2.802 indivíduos adultos saudáveis na faixa etária média de 74 anos do Estados Unidos. Durante dez anos, esses participantes foram analisados e suas funções cognitivas foram observadas desde o começo do estudo de forma periódica.

Alguns indivíduos participante do estudo conseguiram atingir o objetivo de completar as 15 fases de um jogo chamado “Double decision” (em português: Dupla decisão), que tem como objetivo identificar objetos, como carros, cadeira, sapato, colher, dinheiro, entre outros objetos no centro de uma tela e na periferia de uma tela.

Conforme o jogador vai atingido outras fases, os objetos acabam aparecendo de forma mais rápida e sofrem variação de tamanho, isso seguido de fatores propositais de distração. Houve muita variação no número de fases atingidas por cada participante da pesquisa.

“Os dados existentes indicam que o treinamento cerebral de velocidade é efetivo entre adultos mais velhos com e sem comprometimento cognitivo leve, mas é importante entender que isso é preventivo para reduzir o risco de demência e não um tratamento para a doença”.

Novembro já iniciou com subida de preço da gasolina e do diesel nas refinarias

Apesar de algumas melhoras que tivemos na economia do país, ainda prosseguem aqueles aumentos no combustível que tanto nos prejudicam, mas que parecem inevitáveis. Dessa vez, trata-se um aumento no preço da gasolina e do diesel, desde as refinarias. E isso teve início já a partir da zero hora do dia 8 de novembro, uma quarta-feira, quando o óleo diesel que é comercializado nas refinarias da Petrobras, teve seu preço elevado em 2,5% a mais. No caso da gasolina, o reajuste foi de 0,6%. Valendo lembrar que, durante a noite do dia 6 do mesmo mês, a referida empresa já havia divulgado, para o dia seguinte, ou seja, 7 de novembro, aumentos de 1,9% e de 2,3%, para o diesel e para a gasolina, respectivamente.

Para que ocorresse o aumento, como sempre, foi dada uma justificativa, mas dessa vez por meio de uma nota da própria Petrobras, que dizia ser essa a consequência do “aumento das cotações” tanto dos produtos quanto do barril do petróleo no mercado externo. Variações essas que têm como explicação, em grande parte, não só por uma influência da geopolítica internacional, mas também devido à continuidade que tem dado a Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) à sua política de contenção da oferta. Fora tudo isso, a Petrobrás ainda trouxe mais uma justificativa para essa chamada “alta dos derivados”: Segundo a empresa, é também culpada a depreciação ocorrida do valor do real frente ao dólar.

Por fim, faz-se necessário que destaquemos a posição desse reajuste aqui tratado, concedido pela estatal em questão, numa série que chegava à quarta vez consecutiva, em um mesmo mês, considerando-se o preço do combustível nas refinarias. É que o mês de outubro começou com uma queda de -0,2% no preço da gasolina, mas logo houve uma subida no mesmo, que foi de 0,9%, ainda no segundo dia daquele mês. E então, dois dias depois, no dia 4 de outubro, o preço desse combustível cresceu 3,6%, enquanto que o diesel acumulou bastante, ao longo desse mesmo mês, com três aumentos consecutivos, sendo que, no início de outubro, estava com uma queda de 0,4%.

 

Pesquisa revela que pequenas caminhadas reduzem a mortalidade

Uma nova pesquisa publicada pelo “American Journal of Preventive Medicine”, revelou que até mesmo as pequenas caminhadas têm ligação direta com uma menor mortalidade. O estudo que foi publicado no dia 19 de outubro deste ano, explica que as pessoas que não seguem as diretrizes de saúde pública ainda podem alcançar algum benefício em realizar pequenas caminhadas.

As diretrizes atuais recomendam que as pessoas façam ao menos 150 minutos por semana de atividade física considerada moderada ou ainda 75 minutos por semana de atividade física considerada intensa. Contudo, são poucos os adultos que seguem esses parâmetros à risca. Esse é um dos motivos que tem levado cada vez mais pesquisadores a entender os efeitos causados por recomendações menores de exercícios físicos. A grande busca é saber se há benefícios para a saúde caso a recomendação de exercício físico seja menor que a atual.

O estudo conseguiu identificar uma redução de 20% na taxa de mortalidade em geral somente com a prática reduzida de exercícios físicos. Segundo o estudo, alcançar o mínimo do recomendado duas vezes em um mês já contribui significativamente. Isso seria equivalente há duas horas semanais de caminhada em apenas duas semanas no mês. Ou seja, se essa quantidade mínima for dividida em dias, as caminhadas se tornaram pequenas e benéficas para a saúde.

Os resultados do estudo foram obtidos através de análises de dados de aproximadamente 140 mil pessoas que participaram de um outro estudo relacionado com a prevenção de câncer. Os pesquisadores analisaram os dados, excluíram os fatores de risco (cigarro, obesidade, entre outros), e identificaram que duas horas semanais de caminhada são o suficiente para reduzir a mortalidade para todas as causas de morte.

Além disso, o estudo ainda revelou que as caminhadas têm forte impacto benéfico para a saúde dos pulmões, uma vez que as mortes por doenças respiratórias tiveram uma redução de até 35% somente com as duas horas semanais de caminhada. As doenças cardiovasculares entraram para o segundo lugar com maior redução nas causas de morte, um total de 20% a menos. O terceiro foi o risco de mortalidade por causa de câncer, com redução de 9%.

 

Novo sistema garante eficácia na logística de medicamentos do SUS

 

O SUS – Sistema Único de Saúde, já conta com um novo sistema que permite uma maior interação entre a acessibilidade dos medicamentos e todos os estoques de sua responsabilidade no Brasil. Com isso, o SUS tem um melhor planejamento logístico desde a compra dos medicamentos, a validade e qualquer remanejamento que houver no processo. Os parâmetros para a implementação deste novo modelo que conduz a logística de medicamentos do SUS, foi lançado no dia 24 de outubro de 2017 pela “Base Nacional de Dados da Assistência Farmacêutica”.

O novo sistema já estava sendo testado em quatro estados do Brasil e havia demonstrando eficácia na redução de desperdícios de medicamentos na casa dos 30%, isso ao longo do ano em todo o país, somariam para a economia R$ 1,5 bilhão. O prazo estipulado para que o novo sistema funcione em todo o país será de 90 dias a partir do dia 25 de outubro de 2017, sendo que os estados e os municípios terão que se atualizar.

Até o início do mês de outubro deste ano, 15 estados utilizavam o sistema Hórus para enviar dados ao Ministério da Saúde no controle de medicamentos que custam caro. Os 80% restantes representados pelas unidades federadas, transmitiam as informações através de planilhas e contato por telefone. Com as novas mudanças, a ferramenta utilizada é o Web Service, responsável pela interação entre todas as secretarias que atuam na área de saúde do país, compartilhando dados sobre os estoques, carência de medicamentos, compras, tudo isso em tempo real.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que a ferramenta terá um grande papel para o atendimento dos doentes, além de auxiliar em uma grande economia de gastos públicos. Segundo o ministro, a ferramenta permitirá que desperdícios sejam identificados e que os medicamentos sejam mais aproveitados pelas secretarias de saúde espalhadas no país. Mas o mais importante, de acordo com Barros, será a ampliação do acesso da população aos medicamentos mais necessários como aqueles de uso mais comuns e aqueles que custam mais caro. O dinheiro economizado com os medicamentos que são desperdiçados ainda poderá ser utilizado para a compra de medicamentos mais caros para tratamento de algumas doenças mais raras.

 

Os países que possuem os maiores exércitos do planeta

Uma das principais necessidades de uma nação é possuir um exército que possa proteger o seu território. Os exércitos devem promover a segurança do seu espaço aéreo e marítimo, proteger as fronteiras, ajudar em situações emergenciais e se houver um conflito, o exército precisa sempre estar de prontidão. Os países com os maiores exércitos do mundo são:

China – O exército chinês possui o maior número de integrantes, com cerca de 2.290.000 soldados e possui um arsenal de guerra bem grande, com mais de sessenta submarinos, mais de 8.500 tanques de guerra, mais de quatros mil aviões para combate e mais de cinquenta navios de superfície. A China tem uma despesa militar bem grande, para promover a segurança da sua enorme extensão territorial e da sua população, que é a maior do mundo.

Índia – Esse país possui um exército com cerca de 1.325.000 integrantes. A Índia também possui uma grande extensão territorial e a sua população é bem numerosa. Com o segundo maior exército do mundo, esse país sofre ameaças tanto internas quanto externas, e o seu exército está capacitado para fazer a sua proteção e defesa.

Rússia – Com um exército composto por mais de 1.270.000 integrantes, os russos ainda são um dos maiores exportadores de armas do mundo. Os jovens com idades entre 18 e 27 anos, são obrigados a entrar para o ensino militar. A  Rússia  possui o maior número de tanques do mundo, com cerca de 22.950 unidades, e a maior quantidade de aviões, com mais de 2.350 unidades.

Coreia do Norte – O seu exército possui mais de 900.000 integrantes, e além de ser muito organizado, ele possui um grande arsenal de guerra, com mais de 4.500 tanques e diversas armas antitanques.

Paquistão – Com um exército formado por cerca de 617.000 integrantes, esse pequeno país situado no continente asiático, possui inclusive energia atômica. O seu arsenal de guerra é bem numeroso, já que ele possui muitos tanques, submarinos, caças, bombas atômicas e mísseis, que são um dos melhores do mundo, com um nível de acerto em torno de 100%.

Coreia do Sul – Esse exército é o sexto maior do planeta possuindo cerca de 560.000 integrantes. Faz parte ainda do seu arsenal de guerra cerca de 30.000.000 de canhões, e a sua força militar ainda conta com uma tropa de choque chamada Firebat (morcego), e tropas terrestres e da marinha.